sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Já ouviu falar em paralisia mini-facial?

Oi pessoal, olhem eu aqui de novo… Desta vez vim falar de algo completamente diferente, não irei falar de relacionamentos, muito menos de comportamentos tanto de homens como de mulheres, hoje venho falar de saúde, da paralisia facial chamada paralisia de Bell. Há dias estava a falar com colegas, do quanto é difícil ter informação em relação a algumas doenças que nem se quer sabemos que existe. Nos damos conta da existência da mesma quando alguém próximo tem tal doença ou nós mesmos.
Poucas pessoas sabem que eu tive paralisia mini-facial aos 15 anos, isso me atingiu de repente, foi da noite para o dia, apesar de antes eu poder notar alguns sinais (mas como eu desconhecia tal doença nem me preocupei), pensei que fosse um mal estar e que depois de uns dias passava. Mas me enganei, dia seguinte eu acordei com a cara virada, boca virada para a esquerda, meu olho não fechava, aquele foi um daqueles dias que você acorda e pede a Deus que aquilo seja um pesadelo, que você acorde do mau sonho mas você não acorda. Naquele momento percebi que minha face direita havia parado de responder aos meus estímulos.
Nisso tudo, fui as pressas aos hospitais, naquela semana frequentei muitos hospitais, fui me consultar com os sheik’s, nesse momento você vai em tudo quanto é lugar em busca de uma cura, fiz fisioterapia durante muito tempo, tomei remédios, fiz tudo. Mas não resultou, ou talvez eu tenha desistido de mim. A sensação de voltar a escola padecendo dessa doença, ter que explicar a todos o que tinha acontecido comigo. Pessoas se afastando com medo da sua doença, incrivel que mesmo sabendo que meu sorriso estava torto em momento nenhum eu parava de sorrir sei lá porquê, mas está aí algo que nunca perdi. Pessoas riam-se de mim, essa foi a parte mais dolorida, até pessoas que eram mais próximas, ao invés de estarem ali para me dar força, simplesmente se riam a tentar imitar o jeito que eu ficava... Foi um momento muito, mas muito difícil.
Até hoje eu sempre pensava que Deus foi mau comigo, primeiro sou baixinha, já não sou tão bela e ainda me inventa paralisia, poxa, quer acabar comigo. Mas uma senhora hoje me disse, agradeça, Deus as vezes faz uma espécie de almofada para amortecer a queda talvez eu estivesse destinada a algo pior que a paralisia facial e ele me abençoou de tal maneira que apenas a face foi atingida. Hoje dou graças a Deus a isso.

Passam-se 8 anos e estou eu aqui, não melhorei a 100%, penso em voltar a fazer exames para saber quais são as chances de melhorar mais um pouco porque não sei fazer biquinho, não consigo chupar uma laranja, não sei assobiar/assoviar, não sei soprar balão e tantas outras coisas que ainda não tentei mas espero que dê tudo certo. Se não der, não era para ser, mas vou tentar até ao fim.
Bom, aqui vão minhas dicas para todos vocês que estão a ler esta matéria, existem doenças que são meio irreversíveis. (Eu não sei se vocês são assim, mas quando entra um grão de areia no meu olho eu fico muito irritada, sempre a piscar o olho e sempre me lembro de como eu era antes da areia entrar no meu olho, tanto que quando estou como os olhos limpos, sempre fico feliz, aproveito o máximo o meu momento sem nenhum incomôdo nos olhos. Eu não posso mais fazer isso quando o assunto é minha face, eu se quer lembro como eu era antes da paralisia, vejo pelas minhas fotos como eu era, é algo que agora eu não tenho como voltar atrás. Eu sei que não vou acordar amanhã e já estar curada a não ser que Deus com seu poder de cura, me cure.) Mas eu vos aconselho que aproveitem o máximo a vossa saúde, sorriam, tirem fotos, brinquem, façam tudo que podem enquanto podem e também tenham o hábito de fazer exercícios para a face. Hoje em dia a internet tem muita coisa, podem encontrar vários exercícios para a face e praticarem quando estão sentados no sofá a ver uma novela, filme, ou até mesmo o telejornal. Agradeçam sempre a Deus por poder sorrir, ver, andar, tocar e tantas outras coisas que parecem não ter importância, nunca sabemos se algum dia irão nos tirar tal dádiva.
Minhas queridas e meus queridos, eu fico por aqui, prometo voltar em breve e me contem coisas sobre vocês, já tiveram uma doença rara que queiram partilhar aqui, por favor coloquem nos comentários. Se quiserem partilhar outros assuntos, também comentem. Quem não quer se expôr pode enviar um email directo para mim e eu irei responder o mais rápido que puder: perciadovelo@gmail.com. Um beijo para vocês, fiquem com Deus.